09/04/2014

Caça aos ovos da Páscoa e a Lenda do Folar


Quem me conhece e sabe como sou mãe galinha, com uma paciência de Jó, imaginação para programas de miúdos e sempre com a casa cheia de criançada, nem imagina que nem sempre foi assim. 
Sou filha única, de uma família não muito grande e portanto, com muito poucos bebés. A minha ligação a estes seres era pouca ou nenhuma. Depois de casar, quando confrontada com a típica e simpática observação "Então? E agora quando vem o bebé?" escapulia-me e soltava respostas vagas como "Ah, é para o ano!". O problema é que o para o ano nem sequer estava nos meus planos, nos nossos planos. Estavamos habituados a viver um para o outro, a fazer o que queríamos, quando queríamos e esta decisão tão importante andava a ser adiada. 
Até que... plimmm! A estrelinha veio, sem se planear. E quase de imediato, com a estrelinha, veio este sentimento indescritível que aumenta de dia para dia. Um amor infinito que me faz fazer coisas que nunca me passariam pela cabeça. E hoje é uma desses dias. Dia de Caça aos ovos da Páscoa! 
Falta o sol para ser perfeito!
Reunidas as tropas, vamos pôr a mão na massa, preparar um folar para o lanche e pintar uns ovos. Depois, é procurar os que estão escondidos! Festaaaa!!!

Encontrei a Lenda do Folar da Páscoa aqui, e achei giro para lhes contar! 
" A lenda do folar da Páscoa é tão antiga que se desconhece a sua data de origem. Reza a lenda que, numa aldeia portuguesa, vivia uma jovem chamada Mariana que tinha como único desejo na vida o de casar cedo. Tanto rezou a Santa Catarina que a sua vontade se realizou e logo lhe surgiram dois pretendentes: um fidalgo rico e um lavrador pobre, ambos jovens e belos. A jovem voltou a pedir ajuda a Santa Catarina para fazer a escolha certa. Enquanto estava concentrada na sua oração, bateu à porta Amaro, o lavrador pobre, a pedir-lhe uma resposta e marcando-lhe como data limite o Domingo de Ramos. Passado pouco tempo, naquele mesmo dia, apareceu o fidalgo a pedir-lhe também uma decisão. Mariana não sabia o que fazer.
Chegado o Domingo de Ramos, uma vizinha foi muito aflita avisar Mariana que o fidalgo e o lavrador se tinham encontrado a caminho da sua casa e que, naquele momento, travavam uma luta de morte. Mariana correu até ao lugar onde os dois se defrontavam e foi então que, depois de pedir ajuda a Santa Catarina, Mariana soltou o nome de Amaro, o lavrador pobre.
Na véspera do Domingo de Páscoa, Mariana andava atormentada, porque lhe tinham dito que o fidalgo apareceria no dia do casamento para matar Amaro. Mariana rezou a Santa Catarina e a imagem da Santa, ao que parece, sorriu-lhe. No dia seguinte, Mariana foi pôr flores no altar da Santa e, quando chegou a casa, verificou que, em cima da mesa, estava um grande bolo com ovos inteiros, rodeado de flores, as mesmas que Mariana tinha posto no altar. Correu para casa de Amaro, mas encontrou-o no caminho e este contou-lhe que também tinha recebido um bolo semelhante. Pensando ter sido ideia do fidalgo, dirigiram-se a sua casa para lhe agradecer, mas este também tinha recebido o mesmo tipo de bolo. Mariana ficou convencida de que tudo tinha sido obra de Santa Catarina.
Inicialmente chamado de folore, o bolo veio, com o tempo, a ficar conhecido como folar e tornou-se numa tradição que celebra a amizade e a reconciliação. Durante as festividades cristãs da Páscoa, o afilhado costumam levar, no Domingo de Ramos, um ramo de violetas à madrinha de batismo e esta, no Domingo de Páscoa, oferece-lhe em retribuição um folar."

Vamos ter uma tarde animada!

1. Ovos de salame de chocolate
2. Mini folares enrolados
3. Amêndoas de canela e chocolate
4. Folar tradicional

4 comentários:

Ondina Maria disse...

Olha, olha, és igualzinha a mim: tb sou filha única, de uma familia minúscula onde finalmente este ano vamos ter um bébé. Pois é: a minha minha prima (que é mais nova que eu 8 anos e é quase como se fosse minha irmã) vai ter um bébé já este fim de semana. Portanto, estou em vésperas de ser "titi" :D
Já conhecia a lenda do folar, é uma história muito bonita!

Anónimo disse...

Adorei a lenda!! Desculpem a ignorância, mas não conhecia de todo! E também não sabia que se ofereciam violetas às madrinhas no domingo de ramos...que tradição tão bonita!! muito obrigada pela partilha.

yammi receitas disse...

Pois, as crianças requerem sempre muita imaginação.

Convido-a a visitar o meu site:
http://yammireceitas.com

Inês Ginja disse...

Ah, somos um bocado parecidas! Mas eu ainda não tive bebé.
Um dia será a minha vez hehe.
Gostei de te ler, imagino que seja sim, um amor maior que tudo.
E adoro folar de todas as maneiras e feitios :) já fiz um destes teus e adoro.
Um beijinho.

Posts relacionados Plugin for WordPress, Blogger...
blog design by WE BLOG YOU